Os machistas no Dia Internacional da Mulher

Padrão

Como estou cansada de todo ano ouvir discursos machistas no Dia Internacional da Mulher, este ano preferi fazer a listinha das besteiras que eu já ouvi. Tenho certeza que vocês conhecem pelo menos alguma delas. Aproveitei também para explicar o quê está de errado nessas frases ridículas, pra ajudar os moços a entenderem que as palavras que eles acham lindas podem ser muito ofensivas. Quem sabe esses discursos entram em extinção?

mulheres, vocês embelezam o mundo
esse vocês já conhecem de outros posts. É aquela pessoa “simpática” que pensa que mulheres são enfeites. Entram na mesma categoria os piegas do “uma flor para outra flor”. Pra essa pessoa, uma mulher é, na verdade, um vaso de flores gigante: enfeita a sala, não se move sozinho, precisa de alguém pra mantê-lo vivo, e é mudo.

parabéns por ser mulher
eu, hein? Esse aí pegou o bonde andando e não entendeu nada. Que tal parabenizar as mulheres por, em pouco mais de um século, terem mudado a sociedade completamente, e pra melhor? Que tal parabenizá-las por terem largado uma vida como objetos, e se tornarem sujeitos de direito? Que tal parabenizá-las por abdicarem de uma vida de inatividade política, e exigirem o direito de votar e serem votadas? Mas não… quem parabeniza a mulher por ser mulher não percebe nada disso. Pra ele, o que importa é que a mulher é a coisa mais importante do mundo. Desde que caladinha, obediente, delicada, amorosa. Ou, em outras palavras, enfeitando o ambiente, igualzinho à opinião do machista do tópico anterior.

eu adoro as mulheres, afinal, nasci de uma
quem fala essa pérola é aquela pessoa que pensa que ser mulher é igual a ser mãe. Um reducionismo impressionante! Homem pode ter profissão, pode ser solteiro, casado, ter filhos, e continua sendo homem… já mulher só é mulher se for mãe. Essa teoria só não explica como classificar alguém que não pertence ao sexo masculino, nem tem filhos.
O curioso é que, nessas horas, não existe pai: eu adoro os homens, afinal, nasci de um… O filho é só da mãe (mas quando se trata de controlar o corpo e a vida da mãe, aí o pai/”dono” aparece rapidinho…)

falta um dia do homem
tadinho, está se sentindo abandonadinho porque não tem um dia com o nome “homem”. Se ele parar de olhar pro próprio umbigo, vai perceber que todos os dias são dos homens, nem precisa de uma data oficial pra isso. São eles que ainda têm todos os privilégios na sociedade. Afinal, o homem não se torna homem só porque é pai, ele não recebe menos por ser homem, não tem menos chances no mercado de trabalho porque é homem, não é descartado porque ficou gordo, velho ou grávido, não é tratado como invasor da profissão alheia só porque é homem… Quem reclama que não tem um dia do homem é um egoísta que está chorando de barriga cheia.
Pergunte se ele quer trocar de lugar com uma mulher, assim ele vai ter um dia pra ele; você vai ouvir a resposta negativa mais escandalosa do mundo. Na verdade, ele odeia tanto as mulheres que acha que elas só servem pra ficar caladas, fazendo serviços domésticos e sexuais, e enfeitando o ambiente. Mudas, é claro, pois se reivindicarem qualquer coisa (inclusive uma data de luta), estão exagerando os problemas pra chamar a atenção. E, caso não tenham entendido ainda, só ele pode chamar a atenção…

os outros 364 dias são do homem, huahuahua
esse aí parou o cérebro na época da ditadura militar. Naquela época, todas as datas eram pra elogiar o status quo, e esconder o tanto de coisas que eram mantidas erradas à força. Com a democracia, voltamos a colocar o dedo na ferida e as datas ditas comemorativas se tornaram datas problematizadoras, pois elas dão visibilidade a questões que muitos homens querem esconder, especialmente se o assunto for sexismo. Se o homem tem orgulho de usar a força (das mãos, da lei, das armas, da religião, da mídia) para manter seu status de dominador, e ainda ri disso, é sinal que está completamente em descompasso com o mundo atual e que não respeita mulher nenhuma. É um insensível e, no mínimo, omisso em relação à violência contra as mulheres. E é triste ver alguém tão estúpido ter orgulho dessa estupidez.

pra quê um dia desses? Vocês já são iguais a nós!
esse aí não leu meu post do ano passado. Provavelmente, a última coisa que ele leu foi que a Constituição da República declarou que homens e mulheres têm direitos iguais. De lá pra cá, não leu mais jornais nem revistas, não assistiu televisão nem conversou com ninguém, pois não sabe que a igualdade de fato está longe de ser alcançada. Tivemos de fazer uma lei pra combater violência doméstica, ainda precisamos de pressão política para melhorar as condições de trabalho, saúde e educação das mulheres, e falta acabar com o sexismo em todas as suas formas. Que igualdade é essa que tem tantas distorções e necessidade de correções? Conversar com gente desatualizada é terrível… pior ainda é quando têm orgulho de estar, pelo menos, 20 anos atrasados…

o dia é de comemoração, e você vai reclamar?
outro que parou na época dos militares e acha que tudo é pra comemorar. A vida dele é uma festa, e ele não percebe que a vida das mulheres raramente é assim. A vantagem é que, querendo ou não, ele vai ter de ouvir as reclamações. Quem sabe alguma delas entra na sua cabecinha retrógrada e muda alguma coisa – pra melhor – na vida das mulheres que convivem com ele?

continue a ser essa mulher linda, doce, gentil e afetuosa que você é
aviso para as mulheres: se vocês não são lindas, doces, gentis, afetuosas nem sensíveis o tempo todo, vocês não são mulheres. Favor passarem para a categoria “inadequada”, pois não sabemos o que vocês são. Homens são homens, não importa suas características. Até os trogloditas consideram que dizer que um homem é gentil pode ser um elogio. Mas, seguindo a lógica do machista, uma mulher, quando não é gentil, deixa de ser mulher. Aí a gente volta pra aquele modelo do primeiro exemplo: mulher só é mulher quando se torna um vaso de flores gigante e mudo.

E ainda acham que estão nos parabenizando…

About these ads

»

  1. Cybthia, parabéns pelo texto que denuda essa discriminação “benévola”, ainda sutil, mas já percebida pelas mulheres.
    Infelizmente esta é mais difícil de combaer, mas vamos continuando. Textos como o seu são importantíssimos para esclarecer aquelas (e aqueles) que continuam discriminando, com doces palvras.

    beijos

  2. Fantástico seu texto!
    O pior é que ouvi pelo menos umas três dessas ontem no meu trampo.
    Que, aliás, é presidido por um homem que adora ser ‘gentil’ (e veja o sinal de aspas no ar enquanto ler a palavra destacada) com as mulheres. Só conosco.

  3. “Você gosta de uma confusão” seria o nome do livro composto por textos como este sue, hehe. Bom concordo plenamente com o texto e vejo isso pelo eemplo das duas mulheres mais importantes que já tive na vida até agora(uma ex-colega e minha própria mãe-calma que eu explico). A mulher já nasce com uma carga pra carregar muito grande na sociedade, e não vem de hoje e nem só da sociedade ocidental. Embora existiram mulheres vencedoras e poderosas por toda história da humanidade, estes fatos podem ser considerados isolados se comparados com o resto da humanas fêmeas. Mas o dia da mulher, pelo menos em minha cabeça limitada, lembra como vocês conseguem se dedicar tanto a tudo que é mais humano em cada um de nós: das mais profundas relações de afeto carnal, as lutas para lembrarem a um mundo míope que existir pode e deve consistir em pensar e falar e decidir por si mesmas sobre o que ocorre ao seu redor e principalmente por si mesmas. Bom feliz novo dia de lutas, todo dia e sempre.

  4. legal o artigo.. tb tenho a impressão que o dia virou dia do xaveco e nao o dia da mulher… Afinal o dia é para lembrar dos problemas que ainda estao sendo enfrentados ou nao..

  5. Cynthia, post incrível! Passei uns 3 dias reclamando, em graus diferentes, com amigos e conhecidos, desse tipo de “cumprimento”. E o que eu mais vi foi, em ordem:
    1) grandes pontos de interrogação nas carinhas deles
    2) balões de pensamento escrito “mal agradecida”
    3) balões de pensamento escrito “mal comida”.
    Isso sem contar a fama de chata que eu ganho nessas épocas. Bem, o jeito é morder e assoprar, aos pouquinhos eu vou mudando umas cabeças.

  6. Esse comentário é sob uma visão capitalista, não necessariamente masculina. Não me jogue pedras desnecessárias, por favor.

    Nossa sociedade capitalista é movida por dinheiro. Dinheiro vem de produção. E as mulheres (boa parte delas) tem um tempo de produção menor que os homens.

    Todo mês, algumas de vocês têm cólicas menstruais ou indisposições. Isso atrapalha seu rendimento no trabalho. Muitas de vocês não vão ao trabalho por estarem com dores tão fortes que mal conseguem se levantar de suas camas.

    Todo mês, algumas de vocês mudam o temperamento, tornando-se (muito) agressivas ou (muito) deprimidas. Isso também atrapalha seu rendimento no trabalho (seus e às vezes o dos seus colegas).

    Quando vocês engravidam, vocês têm 4 meses de licença maternidade. Uma empresa paga 4 meses de salário para vocês não trabalharem. Isso, para uma empresa, é prejuízo.

    Eu conheço muitas mulheres brilhantes, hiper-competentes que dão conta de tudo e mais um pouco. Mulheres lindas, inteligentes e independentes (eu sou muito feliz por ser casado com uma mulher assim, mesmo ela virando um monstro assassino durante a TPM. Mas isso a gente releva! hehehe). Mas temos que olhar para a “massa”, para o “padrão”. Todas as mulheres são assim?
    Vamos fazer a comparação pelos “medíocres”.
    Qual o tempo de produção de um “homem medíocre” e uma “mulher medíocre”? Contratar qual dos dois será mais LUCRATIVO para uma empresa?

    Agora me diga: existe realmente “igualdade” entre os sexos dentro do capitalismo?

    • Mas ninguém disse que o sistema é adequado. Se a igualdade e o respeito pelas pessoas é menos importante que o lucro do setor empresarial, cabe perguntar quem compõe o setor empresarial pra ditar essas regras, e voltamos pro loop dessa discussão.

    • Homens faltam mais ao trabalho por motivo de saúde do que mulheres; quem paga a licença maternidade não é a empresa, é o INSS. E se o homem não tem licença quando tem filho é consequência da nossa nossa sociedade sexista e capitalista, pois deveria ter, e não 5 ridículos dias. Homens tem passe livre pra serem agressivos o tempo todo, então devo imaginar que devam ser discriminados por isso também. Resumindo, vá postar suas besteiras machistas em outra freguesia. Me sinto na obrigação de te dizer isso, mesmo com um atraso de 5 anos.

  7. Putz…
    Sinto como tivesse levado um tapa na cara..aaahaah!!. Infelizmente os homens erram em um monte de aspectos, e são assim iguais. Vou dizer é a sociedade. É?. Mas adorei seu texto. É algo pra se refletir e corrigir certo reflexo que a sociedade impõem para ambos os sexos. Respeito essa data nao como um dia pra agradar dar presente e sim como uma algo de libertação e de memória a as pessoas que fizeram isso acontecer.

  8. Pingback: Rato de Biblioteca » Blog Archive » No Dia Internacional da Mulher, dispenso a rosa!

  9. Esse comentário seu, João, é uma demonstração de que os discursos sempre encontram sua materialidade, e com uma facilidade incrível na “biologia”.
    Você conhece mulheres lindas, inteligentes, competentes, mas não são muitas. E os homens, são muitos? Eu duvidaria. Homens também tem seus dias mais ou menos produtivos, se insistirmos em falar nessa chave, por conta de uma série de idiossincrasias que podem ter ou não a ver com seu gênero.
    Sua fala só demonstra como a partir de pretextos mal informados as mulheres ainda tem que trabalhar muito mais para ter um reconhecimento que ainda é menor.

  10. Ecelente texto,e como se não bastasse essa bosta toda,a gente ainda tem que ouvir piadinhas machistas que parece que se proliferam nesse dia.
    E se a gente não ri,dizem que a gente não tem senso de humor ¬¬
    Pior ainda,contam uma piada cretina,e depois vêm com esses “elogios” que você enumerou.

  11. Claro, querendo que busquem a igualdade, o reconhecimento que ignoram, mas como você classificaria uma dedicatória assim:
    PARABÉNS MULHERES pelo dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Às loiras, morenas e negras,
    gostosonas, magrelas, gordinhas (excesso de de fofura) e siliconadas, mas principalmente aquelas com metas
    exemplares que as tornam merecedoras de que todos os dias sejam seus durante toda a vida.
    Só pra saber.

  12. Uma das vantagens do Dia Internacional da Mulher são os posts inspiradíssimos sobre o tema.

    Quanto ao comentário do João… Por favor, eduque-se em vez de falar bobagem. Na Finlândia a licença maternidade é de 6 meses e inclui o pai, ou seja também é licença-paternidade. Acontece o mesmo em vários outros países civilizados que consideram que a presença dos pais (ambos!!!!) é importante para os primeiros meses de vida da criança. Ninguém vai à falência por causa disso, nem leva prejuízo. As empresas quebram por má gestão. Dizer que a diferença salarial entre gêneros é uma questão econômica relacionada à TPM e gravidez…é, no mínimo, ridículo (além de ser um besteira do tamanho do sistema solar). Os homens tb ficam irritadinhos quando o timinho perde no Campeonato de Xique-Xique da Serra e nem por isso tem desconto na folha de pagamento.

    Produtividade é muito mais do que hora trabalhada meu filho. É resultado. Te garanto que eu posso trabalhar 4 h/dia e apresentar resultados bem mais consistentes do que alguns colegas do sexo masculino que trabalham 12 h/dia.

    • Ah, Flavita, obrigada! Eu tava aqui engasgada e querendo responder ao João, mas sem tempo pra interromper o meu trabalho pra elaborar uma resposta que valesse a pena. Você foi perfeita.

  13. Pingback: :: Sono demais… :: March :: 2009

  14. Eu só quero informar o sr. João que quem paga o salário maternidade é a Previdência e não as empresas. As empresas continuam recolhendo os encargos, mas elas não pagam o salário maternidade da funcionária. As empresas gostam sempre é de reclamar. E o sr. João precisa entender que o tempo de licença é para o cuidado com o filho, com a criança, ou seja, é um bem para toda a sociedade e não para a mulher em particular, afinal, é um tempo dedicado para que esta criança seja mais saudável com os cuidados da mãe. Toda a sociedade ganha com isso.

    • Não apenas mais saudável como também mais… produtiva! Ou seja, uma sociedade capitalista que paga a mãe (e o pai) para ficarem em casa cuidando de seus filhos nos primeiros meses na verdade está investindo em seus próprios ganhos futuros. A empresa que só vê o curtíssimo prazo e não percebe isso está mesmo fadada a falir, num mundo competitivo como o nosso.

  15. Obrigado pelo post, estava precisando de umas dicas,ja estava quase roendo as unhas de medo de falar alguma besteira mesmo que sem querer, namoro a pouco tempo uma feminista e as vezes não sei ainda o que falar perante a alguns temas polêmicos.
    Poderia ficar neutro e fingir que entendo tudo, mas faço o contrario, quero sempre mais informação e são anos atrasado para entender toda essa batalha que vocês travaram ao longo dos anos.
    E com certeza passarei mais vezes por aqui, parabéns pelo post e pela luta continua!

  16. Adorei o texto! Resume pontos importantes sobre comportamentos de quem não entende o outro como um igual, de fato.

    Não sei se você viu o comercial da Nextel com a Maria Gadú sobre o dia da mulher. Se viu, o que vc achou?

  17. Adorei o texto. Perfeito.
    Confesso que esse não é o melhor comentário a se fazer a cerca de um texto como esse (riquíssimo), pois odeio esse tipo de comentário no blog que mantenho. Dá a impressão de que não leram e escreveram qualquer coisa pra eu não ficar deprimida. É que achei tão impressionante os detalhes das gafes aqui abordadas que até fiquei sem palavras, apesar de saber que ouço isso de milhares de idiotas que me parabeniza pelo dia com essa pérolas.
    Gostei mais do tópico em que diz “adoro as mulheres, afinal, nasci de uma”. Essa, de fato é fantástica. É a realização da mulher na maternidade. Pra ser mulher tem de ser mãe (acho que nessa ainda não me realizei como mulher, rsss). Enfim o texto é belíssimo e contundente. Gostei das “pancadas”.

  18. Pingback: Os machistas no Dia Internacional da Mulher | Trezentos

  19. Q texto phodaaaaa! (No melhor sentido!).
    Muito bom!
    É engraçado… a cabeça das pessoas está tão amarrada a certos conceitos que elas não percebem suas falhas. Nesta semana, num grupo q participo no Facebook, deram como exemplo um casamento desses bem machistas, q o homem controla a mulher diminuindo-a e ameaçando-a, com a mulher sendo só esposa e não tendo uma vida profissional, e a pessoa que postou perguntou sobre nossa visão disso e tal. Uma das participantes comentou que mtas vzs a pessoa age assim por hábito, por ter sido criada assim (ok, concordo, mas somos adultas e temos a habilidade de questionar). Alguém mencionou submissão e outra veio logo abafar a polêmica, por panos quentes dizendo q não era bem submissão. Sim, é submissão. Pode não ser consciente, pode ser pura repetição do que aprendeu com mães e avós, mas é. E é estranho q hj em dia as pessoas sentem-se ofendidas de serem chamadas de machistas ou de submissas, mas não mudam… suas atitudes continuam sendo machistas ou submissas.
    Infelizmente homens e mulheres reforçam os conceitos machistas nas cabeças uns dos outros. É triste.

  20. Pingback: A Antiproibicionista: Novo jornal do DAR é especial sobre mulheres e antiproibicionismo : DAR – Desentorpecendo A Razão

  21. coisas assim também valem para o dia da consciência negra também… é a ideia de que para se ter os mesmos direitos tem de por de lado sua identidade…
    “pra quê um dia desses? Vocês já são iguais a nós!”

  22. Pingback: Nem tudo são flores « TodasNós

  23. Pingback: Dia internacional da mulher « Diferencie-se! Blog. O blog da Diferencie-se! Treinamentos e Serviços

  24. “continue a ser essa mulher linda, doce, gentil e afetuosa que você é”

    Com uma frase como essa eu sempre desconfio se sou mulher mesmo. Tenho sutileza de um elefante, não sou nada doce, não me arrumo, não sou afetuosa e nada de qualidades que esperam de uma mulher…
    E quando digo que sou childfree? Só falta jogarem pedras.

  25. Pingback: Cynthia Semíramis: homenagens machistas ao Dia Internacional da Mulher | Consciencia.blog.br

  26. Pingback: Os machistas dos dia internacional da mulher | Fórum de Mulheres do DF

  27. Pingback: Machismo e Feminismo – As berrantes diferenças « I try but you see, it's hard to explain

  28. Pingback: 8 de março: eu quero é paz para ser mulher | Janaina Rochido, jornalista

  29. Pingback: neste dia internacional da mulher, não me parabenize | Uns textinhos

  30. Pingback: O que está em outros blogs… #3 – Dia Internacional da MulherRenata Pinheiro | Renata Pinheiro

  31. Pingback: Dia internacional da mulher | Vanessa Versiani - House of Innovators

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s