BlogDay 2006

Ontem acabou a luz aqui enquanto eu preparava as provas dos meus alunos e terminava um post. Resultado: não terminei o post, não terminei o que precisava fazer, estou tonta de sono, não tive tempo de acessar nada por hoje até resolver a maior parte dos problemas da casa e do trabalho. Agora, felizmente, entrei na parte dos problemas online!

Acabo de descobrir, através dos comentários, que hoje é BlogDay, e a Denise fez a gentileza (ou será insanidade?) de me indicar. Então, a quem chega, peço desculpas pela bagunça da casa, mas os últimos dias foram terríveis, e deixo a sugestão de outros blogs para vocês visitarem enquanto arrumo a confusão:

  • Apocalipse motorizado – pra pensar um pouco na vida dependente de carro que nos empurram goela abaixo
  • Yalla! – sobre dança do ventre. A Roberta mudou completamente minha visão sobre cultura e dança
  • Cyn City – adoro o blog da xará, especialmente quando ela está de mau humor
  • Indi(a)gestão e (In)diarreia – cotidiano da Sandra, uma brasileira que mora na Índia. Incredible!
  • Ontem e hoje – blog do Ismael Cirilo, o Soié, com seus 82 anos de jovialidade e ótimos causos

Também acabo de descobrir, via Inagaki, que o Imprensa Marrom foi condenado em primeira instância. O que eu penso disso? Lamentável, horrível, e vários outros termos que não serão pronunciados aqui.

Anúncios

7 pensamentos sobre “BlogDay 2006

  1. Ah, vou dar uma olhada nos links que vc sugeriu. Coincidência, eu linkei o Cyn City exatamente hoje (eu já conhecia, mas fazia tempo que eu não lia). E agora o vejo aqui.

    Beijos! Pegue firme aí, moça!

  2. Cynthia, há tempos que eu estava procurando esse blog da India, tinha visto, uma vez, mas perdi o contato. Maravilha! vou dar uma visitada nos outros também. Beijão!

  3. ai, Cynthia, até eu, com os ainda parcos conhecimentos de direito, fiquei “horrorificada” com o caso do Imprensa…

  4. Eu queria te mandar, já que o teu trabalho versou sobre o direito, e, na minhaconcepção direito é direito:

    O céu é o limite.

    O que faz do homem, um alvo fácil de ser atingido, de qualquer lado e distância? A própria astúcia humana, que, sem medidas, é o diferencial responsável pelas diferenças berrantes, pelas perseguições descabidas, pela utilização da vida e suor do outro.A política previdenciária do Brasil, foi enfim consolidada, ocorrendo aí prejuízos para quem já, sossegadamente, vivia com seus parcos rendimentos, contados centavo a centavo. E o que fizeram os políticos brasileiros: como forma de descompensar a todos e fazer cair drasticamente os valores de muitas aposentadorias, delimitaram, para baixo, o valor dos pretensos a se aposentarem; tributou benefícios que antes sobre eles não recaía nenhuma sobretaxa, até porque, por toda a sua vida profissional, de trabalho e luta, eles já haviam contribuído o sufuciente para, em idade de aposentadoria, fazer jus ao que estavam percebendo. Isto não se explica. Se o governo diz que com o apurado dessa retenção de impostos a mais conseguiu melhorar a condição de vida de milhões de brasileiros, na prática isso não se consuma em verdade. Ainda existem, como sempre, os famintos, degredados, expoliados, mortos de fome, os sem teto, os sem terra – enquanto o interior do Brasil encontra-se completamente abandonado, desolado, sem interessar a ninguém -.Deslize pior cometeram os políticos, dessa porção de terras, quando permitiram a proliferação de filiais de bancos com razão social diferente, com o simples intúito de tomarem desses aposentados que, vendo agora sua renda diminuída, recorrem a esses agiotas, se submetendo aos juros que eles bem criarem. Atualmente, no Brasil, todo banco, do menor ao maior, mantém funcionando, em cubículos espalhados pelos centros das cidades brasileiras, um ponto de empréstimo e direcionado, especificamente, aos aposentados. Isto é ou não é uma imoralidade visível?Todos os dias eu reflito sobre isso, sob o foco do interesse duplo: julgo ganharem simultaneamente agiotas e governo. O primeiro porque tira de suas costas a responsabilidade de remunerar condignamente os aposentados; os segundos, por estarem com a faca e o queiro na mão. Emprestam sem riscos, posto que o governo autorizou a retenção das parcelas do financiamento em folha e aplicam taxas de juros do tamanho que lhes aprouver.É um equívoco ou um erro premeditado? É uma ajuda, ou um desejo de ver a maioria desses pobres coitados mortos, infartados, quando chegar o dia de não terem mais do que viver?Agravando isso funciona a irresponsabilidade dessas instituições desnecessárias, de estarem diariamente mandando correspondências a esses aposentados, oferecendo-lhes seus benefícios, importando-se pouco se aquele cidadão pode ou não arcar com o ônus dessa desventura. Legalmente existe uma idade máxima para que uma pessoa possa se habilitar a uma operação financeira, no entanto eles ignoram, emprestam para quem tem mais de setenta anos, oitenta, até cem, se for o caso. Isso é novo, eu confesso, desconhecia, e, sabia que os velhinhos dependentes de nossa Previdência, incluídos os inválidos, eram protegidos por lei, e não podiam ser humilhados como são. Passam horas na fila do caixa eletrônico; depois, já sol a pino, se metem nas filas desses quiosques ilegais.

    dá uma olhadela no meu blogger: http://www.poemusicas.blogspot.com

  5. SE LEMBRA

    Por todas as ruas, onde ando sozinho,
    eu ando sozinho, com você.
    e você que nem se lembra mais,
    se lembra?
    Do jeito que eu fui, tão dedicado, meu amor,
    vejo com saudade a rua, a cerca, o espinho, a flor,
    tntos gestsos fis prá lhe falar, lhe ver sorrir,
    Você selembra.

    Ainda ando sozinho. Eu já nem sei se ando,
    eu ando sonhando com você.
    E você que nem se lembra mais,
    se lembra:
    Do jeito que eu sou, tão complicado, meu amor,
    fico encabulado quando vou tirar uma flor,
    e há tantos gestos mais prá entender, e essa canção,
    prá você lembrar.

    AMOR ACABA

    Amor um dia acaba,
    e fica o quê dessa ilusão,
    um peito cheio de mágoa,
    vazio um coração.

    Amor um dia passa,
    e o que se vê do furacão,
    as mãos tateando nada,
    faltando aos pés, o chão.

    Amor te disse,
    que não era tão somente,
    a pele rente, um beijo ardente,
    se molhar.
    E fico nisso, amor, pensando,
    ah, se tu visse, quado me disse,
    AMOR NÃO PODE ACABAR.

    Uma abração da qui de onde estou. Não te preocupa eu estou bem! bem… se tu olhasses o meu blogger eu ficaria melhor.
    NAENO

    “O AMOR SÓ SERVE PARA DEIXAR SAUDADES” – me slogan de campanha.

Os comentários estão desativados.