Um basta ao excesso de magreza na moda

Vi primeiro na Denise, e agora estou acompanhando a repercussão: na semana de moda de Madri modelos com Índice de Massa Corporal (IMC) menor que 18kg/m² foram proibidas de desfilar.

Vibrei com a notícia, é óbvio! Não tenho nada contra as mulheres magras, mas não posso admitir que a magreza excessiva se torne um padrão estético, influenciando (e, por vezes, atrapalhando) o crescimento saudável de crianças e adolescentes, e destruindo a auto-estima de mulheres adultas.

Considero que essa imagem feminina idealizada o tempo todo pela mídia, reforçando a idéia de magreza e juventude (já notaram que a maioria das modelos parecem recém-saídas da infância? Depois reclamam de pedofilia…), é uma violação dos direitos humanos, pois trata-se de uma forma de violência psicológica, gera angústia, insegurança, sensação de inadequação e discriminação na maioria das mulheres, prejudicando sua vida social. Pra piorar, prejudica o pleno desenvolvimento infantil ao exigir maior atenção das meninas à estética que a outras formas de realização pessoal. É por isso que apóio toda intervenção que procure valorizar a diversidade de corpos femininos e desincentivar comportamentos pouco saudáveis, como o excesso de esforço para ser magra demais e a necessidade de adotar um padrão de beleza único e irreal para ser feliz.

Vi muitos comentários exaltando a indústria da moda por gerar empregos, e afirmando que as modelos precisam ser magras para que o destaque seja da roupa. Sei que a moda é importante para a economia, fundamental para a identidade visual e fortalecimento de grupos sociais, mas daí a defender que meninas tão magras que têm o cotovelo mais largo que o braço sejam “cabides” de roupas é um absurdo completo.

É possível fazer moda artística e acessível a todas, sem valorizar apenas os “cabides”, e continuar tendo lucro e gerando empregos, sim, basta querer. A resistência dos estilistas em mudar esse padrão é bem difícil de entender, exceto se pensarmos em termos de masculinização do corpo feminino para se ter sucesso, ou uma forma disfarçada de submissão através da violência física ou psicológica… se forem realmente esses os raciocínios, são lamentáveis.

Outros comentários me incomodaram pelo tom de “governo querendo mostrar serviço”. Como é necessário mudar alguma coisa na questão da imagem feminina na mídia, por qualquer ponto que se comece (publicidade, moda, atrizes, cantoras, jornalismo) está de ótimo tamanho. O que não pode acontecer é, sob uma pretensa alegação de perseguição a uma indústria que rende rios de dinheiro, deixar que modelos morram de inanição nem que se tornem exemplos estéticos únicos a serem seguidos por toda a população feminina mundial, especialmente quando divorciados de um corpo saudável e de respeito a diferenças étnicas.

E, antes que alguém venha criticar as mulheres que querem ser magras e elogiar a preferência masculina por mulheres mais cheinhas, favor ler o post abaixo.

Leiam também:

Anúncios

3 pensamentos sobre “Um basta ao excesso de magreza na moda

  1. Cynthia, obrigadíssima pelo “irrepreensíveis”, levei tanta porrada naquele post que quase que fico em dúvida… o negócio é que é um tema muito complexo e o povo não pode esperar que a gente esgote tudo que precisa ser dito sobre isso num post apenas… enfim… como você, acho que esse pode ter sido um primeiro passo e espero que venham outros. Beijocas!

  2. Denise, mas seus posts estão irrepreensíveis mesmo! Não é pra ficar em dúvida, não! Tem muita gente que não sabe discutir, que está confundindo magreza com anorexia, e acaba distorcendo o que a gente escreve. Depois a poeira assenta, e vão entender que o assunto é mais sério do que o velho papo de “liberdade individual”…

  3. Pingback: Mulheres, costura e feminismo « Cynthia Semíramis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s