Campanha incentivando violência contra candidata

Padrão

Passei a última semana no Fazendo Gênero 9, talvez o maior evento do mundo para discutir gênero e feminismos. Foi muito interessante, especialmente por causa das diversas mesas redondas e simpósios temáticos sobre violência contra mulheres. Ao final, depois de compararmos a situação brasileira com a de outros países, saímos com a sensação de que o Brasil, apesar de várias iniciativas para combater a violência contra mulheres, ainda está bem atrasado nesta questão.

Essa impressão foi reforçada quando soube que estão divulgando uma “campanha”, na mesma linha da fala da Maitê Proença, usando uma faixa com os seguintes dizeres:

Bruno, só você pode salvar o Brasil. Engravide a Dilma, e depois avisa pro Macarrão e pro Bola

A legenda diz que é uma campanha “pró-Brasil”. Este é o link para a campanha; caso saia do ar, aqui está a cópia da imagem.

O caso Eliza Samúdio não deveria ser motivo de riso, pois não há motivo alguma para rir de um caso de tortura e morte de mulher por causa da recusa de um homem em assumir a paternidade de uma criança. Associar esse caso à eliminação de uma candidata a cargo eletivo, além de ser uma atitude totalmente anti-democrática, é uma forma de banalizar a violência contra mulheres, legitimando agressão, estupro e morte.

Há ainda um complicador nesse história. Na divulgação da campanha, ela foi parar no Mobiliza Mulher PSDB:

RT @Dilze RT @Caradorno Vamos lançar esta campanha Pró Brasil! http://twitpic.com/2iet4f //#euri muitoooo

Ou seja, um twitter destinado à militância tucana feminina não tem pudor de endossar – e ainda rir – de uma campanha que estimula violência contra mulheres somente porque o alvo da campanha é uma candidata de oposição.

Existem feministas históricas no PSDB, e tenho certeza que nenhuma delas endossaria uma campanha de violência contra mulheres, e muito menos admitiria risadas, fosse ou não a campanha destinada a alguma mulher de quem discordassem politicamente.

Combater a violência contra mulheres é uma questão que vai além de disputas partidárias e que precisa ser tratada com mais seriedade no Brasil. Um twitter de militância política deveria dar o exemplo, mostrando empatia pelo sofrimento das mulheres e se recusando a endossar ou rir campanhas que incentivem violência.

[publicado originalmente no Sexismo na política]

Anúncios

Uma resposta »

  1. Olá.
    Um colega contou essa “piadinha” pra mim nesse final de semana.
    Falta de tato total, duplamente. Primeiro pelo conteúdo e segundo por saber que Dilma é minha candidata.
    Agora, quanto a faixa, acho que é montagem. Essa faixa, creio eu, não existe, pois os efeitos de luz se repetem, observe. Muito provavelmente havia um texto qualquer na faixa e pelo método do copia e cola ela foi deixada branca pra receber o texto.
    Isso não diminui a mensagem, pois o fato de ser divulgado pela rede já é degradante o suficiente, independente da veracidade ou não da faixa.
    Abraço,
    Hélio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s