A Face Negra da Deusa

Padrão

A Face Negra da Deusa
por Márcia Frazão

A conheci na enfermaria da maternidade. Eu tinha acabado de parir meu filho e, desamparada pela solidão do quarto particular, dedicava as manhãs a perambular pela enfermaria. Era aconchegante estar reunida com aquele bando de mulheres que não entendia como eu podia querer estar ali junto a elas. E foi assim que a conheci. Uma mulata que já não ostentava o frescor dos seus poucos anos de vida. Ficava deitada numa cama,sem nenhuma assistência dos médicos e enfermeiras. Os médicos passavam por ela como se ela fosse um fantasma incômodo, uma mancha que o clorofórmio não limpava. Fedia muito. Um cheiro de maresia e carne podre. Não aguentava se levantar e ir ao banheiro. Os olhos vidrados miravam um ponto que só ela enxergava…

As mulheres da enfermaria, as mães, eram as únicas que a assistiam. Limpavam o seu corpo e dividiam com ela as suas parcas provisões (as enfermeiras quase não lhe davam comida). Eu, fechada na burrice burguesa e alienada da “vida real”, não entendia a razão da sua presença. Afinal, aquela era uma enfermaria para parturientes e ela não parira ninguém. Mas o que mais me intrigava era que as mães a reverenciavam como se ela tivesse parido Jesus!

Os dias se passaram e numa manhã o seu leito ficou vazio. Morrera à noite, cercada pelas mulheres que tão bem a conheciam. Não teve assistência dos médicos e nenhuma enfermeira foi lhe ver. Morrera com o rebento morto no ventre. Um rebento perfurado por uma agulha de tricô. Um aborto que não dera certo.

Foi enterrada como indigente e deixou para as ruas os seus quatro filhos, quatro crianças que ela criava às duras penas. No dia da sua morte as mulheres não sorriram nem embalaram os seus rebentos. Vestiram negro e se esconderam na sabedoria, como a lua se esconde no céu nos dias da Lua Negra!

Vi este texto da Marcia Frazão no Orkut, há muito tempo. Cada vez que o releio, fico impressionada em como ela descreveu bem a solidariedade entre mulheres contra a tirania da lei que proíbe mulheres de decidirem sobre o próprio corpo e sua prole.

Dia 28 de setembro, Dia de Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina e Caribe. Estamos lutando para que situações como a descrita acima não se repitam, condenando à morte as mulheres que não querem ser mães.

Outros posts meus sobre legalização do aborto:

Anúncios

»

  1. Pingback: Pela legalização do aborto « Cynthia Semíramis

  2. Cynthia, minha posição pessoal é contrária ao aborto, mas eu jamais imponho minha opinião às outras mulheres. O direito de decidir é individual. Fiquei emocionada com a história e me perguntando porque aquela mulher não recebeu atendimento adequado… moralismo? Difícil assim. Beijo grande (saudade!), Adrina.

  3. Pingback: Aborto: direito da mulher.

  4. Pingback: Pela legalização do aborto | Trezentos

  5. Pingback: Links interessantes – pela legalização do aborto « Cynthia Semíramis

  6. Pingback: As mães também abortam

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s